Yu-Gi-Oh! Duel Links

Home / Resenhas / Games / Yu-Gi-Oh! Duel Links
Helton Kazume

Helton Kazume

Colaborador em Com'Aboard Geek Culture
Você sabia que Helton Kazume é colaborador da Com'Aboard? Quer ler resenhas publicadas por ele? Confira abaixo! =] Se quiser conhecer mais sobre este colaborador, acesse "Nossa Equipe" no menu principal!
Helton Kazume

Últimos posts por Helton Kazume (exibir todos)

 

Yu-Gi-Oh! Duel Links é um game free-to-play desenvolvido pela Konami e inspirado na série Yu Gi Oh!. O jogo foi lançado no Japão em 17 de novembro de 2016 e no resto do mundo em 11 de janeiro de 2017. É um jogo mobile e encontra-se disponível para download nos sistemas operacionais iOS e Android.

O game disponibiliza partidas offline e online para que o jogador possa treinar e conhecer suas carta, além de partidas competitivas contra duelistas do mundo todo em tempo real. Mas antes de aventurar-se em batalhas competitivas, tenha consciência de que seus adversários serão aqueles orientais que nunca pararam de jogar Yu-Gi-Oh! desde que o primeiro game foi lançado. Logo, antes de jogar online, tenha uma boa estratégia e conheça seu deck! Mas o quê? Você não consegue ou não sabe como começar a montar um deck? Pode ficar tranquilo, a Com’Aboard traz para você um guia que irá te ajudar a montar o seu baralho!

 

É HORA… DO DUELO!!!

 Ficha Técnica

Titulo original: Yu-Gi-Oh! Duel Links

Gênero: Cartas, estratégia.

Lançamento: Novembro de 2016 (Japão), janeiro de 2017 (resto do mundo)

Desenvolvedor: Konami

Publicador: Konami

Plataforma: Celular (Android e iOS)

Online: Sim


Impressões pessoais

Yu-Gi-Oh! Duel Links estourou assim que foi lançado, com mais de 750.000 downloads só para Android. Durante todo o mês de janeiro, era comum andar pelas ruas e encontrar pessoas olhando fissuradamente para as cartas de verso marrom-amadeirado nas telinhas do celular. Talvez, o motivo que levou essas pessoas a jogar Yu-Gi-Oh! Duel Links seja o mesmo que as levou a jogar o Pokémon GO: a nostalgia de um anime clássico que fez parte da infância de muitas pessoas.

E falando em nostalgia, as batalhas de Duel Links lembram muito as de Yu-Gi-Oh! Forbbiden Memories do PS1, com a exceção dos sistemas de fusões. Em Duel Links, não existe a possibilidade de usar todas as suas cartas da mão para fazer (na cagada) fusões TOP (muitas vezes aniquiladas por aquele monstro normal colocado no final da fusão). Tirando esse detalhe, o resto do jogo é praticamente igual aos jogos para celular da atualidade: o melhor jeito de conseguir cartas e montar um deck e abrir vários boosters (os pacotes de cartas iguais aos que você compra na vida real).

Mesmo não prestando atenção ao tutorial, foi fácil de aprender a jogar. A mecânica é simples, não tem muito segredos. Você só precisará de paciência para montar um deck bom e ficar lendo os efeitos de todas as cartas e tal. Isso é algo essencial para o seu jogo melhorar!

 

Todas as cartas possuem uma habilidade única que deve ser atentamente lida.

Dicas

1- Tenha uma estratégia

O primeiro passo para elaborar uma estratégia é ler os efeitos de todas as cartas de seu deck. Com base nas cartas que você tiver em mãos, defina a melhor estratégia compatível (pode ser focada em magias, rituais, invocações com tributos, etc.), Embora colocar vários monstros fortes seja tentador e mais imediato, isso na verdade poderá te atrapalhar mais do que ajudar. Lembre-se: monstros fortes geralmente são invocados com tributos (sacrifícios de outros monstros). Quanto mais monstros que necessitam de tributos você tiver no seu deck, maior a probabilidade de tê-los em sua mão e nenhum tributo para oferecer.

2- Use o mínimo de cartas

O deck poderá ter de 20 a 30 cartas. Embora colocar um maior número de cartas seja tentador, nem sempre é aconselhável fazê-lo. Quanto menos cartas no seu deck, menor a aleatoriedade da sua compra, menor a compra de cartas desnecessárias e mais fácil de por em prática sua estratégia.

3- Equilibre a quantidade de monstros e magias

Assim como não é recomendável colocar vários monstros que necessitam de tributos em seu deck, muitas cartas de magia também podem prejudicá-lo! Cartas de magia em excesso o deixarão vulnerável aos monstros do oponente, criando possibilidade de ataque direto.

4- Visite a Mesa de Decks

Para os jogadores que estão sem ideias para criar um baralho, o jogo disponibiliza uma opção que possibilita publicar e visualizar decks de outros jogadores. Inspirar-se em um baralho de um bom duelista pode ser a alternativa para um deck vencedor.

5- Teste seu deck

Depois de se inspirar em outros duelistas, montar sua estratégia e seu deck, finalmente chegamos a hora de duelar, certo? Em partes. É hora de duelar, mas não em partidas rankeadas. Primeiro você deverá testar seu novo baralho, ver se tudo está funcionando do jeito que pensou e fazer as ultimas modificações para deixa-lo da melhor maneira possível. Aí sim, você pode partir para as partidas rankeadas 😉


 Jogabilidade

O jogo mantém algumas regras do jogo de cartas original e modifica algumas. Por exemplo, cada duelista tem apenas três Zonas de Monstro e três Zonas de Magia/Armadilha, ao invés de cinco. Além disso, cada cada jogador poderá ter no mínimo 20 e no máximo 30 cartas em seu deck, ao invés de ter no mínimo 40 cartas (como no original).

Durante o duelo cada jogador tem 4.000 Pontos de Vida e pode invocar apenas um monstro por rodada e, se necessário, utilizar tributos ou ritual para invoca-lo. Ao ganhar, o duelista sobe de nível e batalha com duelistas mais fortes. Isso é válido tanto para o modo Online Versus (adversários reais), quando o modo Duel World (Inteligência Artificial) que também possui quests e possibilidade de obter novas cartas.

 

Mesa de duelo

 

História: 11 exp. Quase não há história no jogo, o foco maior é o multiplayer. Talvez isso se deva ao fato de Duel Links ser pensado para um público de jogo mobile (no geral, mais casual) e da história ter sido baseada integralmente no anime,

Gráficos: 14 exp. Diferentemente do PS1 em que você podia visualizar a fodástica batalha entre dois monstros, em Duel Links as imagens são mais estáticas. As imagens são bonitas em alta resolução, mas senti falta das animações.

Jogabilidade: 20 exp No começo eu tive um pouco de dificuldade por estar acostumado com as regras do jogo físico, mas logo consegui pegar o jeito do jogo. A mecânica funciona muito bem (talvez até melhor que a original). Gostei muito da simplicidade e da elegância dos comandos.

Replay: 20 exp. Para o jogador não ficar decepcionado com sua fraqueza inicial, o jogo lhe presenteia com cristais suficientes para invocar cerca de 80 cartas, Isso já da um up no seu jogo, ainda mais se pegar várias cartas ultras raras e estimula você a querer jogar mais (ou gastar dinheiro) para obter cartas ainda melhores. Um ciclo se fim.

Som: 8 exp. Os sons são dos personagens do anime verdadeiro, porém não fazem muita diferença na imersão do jogador na partida (além de ter algumas falas meio toscas).

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: