Soda Dungeon

Home / Resenhas / Games / Soda Dungeon
Augusto Ferratti

Augusto Ferratti

Colaborador em Com'Aboard Geek Culture
Você sabia que Augusto Ferratti é colaborador da Com'Aboard? Quer ler resenhas publicadas por ele? Confira abaixo! =] Se quiser conhecer mais sobre este colaborador, acesse "Nossa Equipe" no menu principal!
Augusto Ferratti

Últimos posts por Augusto Ferratti (exibir todos)

 

Lendas urbanas sobre refrigerantes nunca foram tão populares como nos últimos anos. Manchetes de fontes totalmente confiáveis da Internet nos levam a refletir sobre o perigo que é tomar essa bebida. Destaco aqui algumas: ”Homem cai dentro de tanque da fábrica e morre em Taquaritinga”, ”Rato é encontrado dentro da garrafa de refrigerante”, ”Sabor uva dá câncer”, ”Multifuncional: limpa sangue e desentope privadas”. Não bastassem esses riscos, nada mais perigoso do que tomar um ”refri” da Taverna do Refrigerante e ser persuadido a enfrentar, sem medo algum, diversas monstruosidades e calabouços. Não entendeu? Quer saber o que acontece? Hoje lhes apresento Soda Dungeon, um game que envolve viciados no refresco – e que pode te viciar facilmente.


Ficha Técnica

Titulo Original: Soda Dungeon

Gênero: Casual/RPG/Idle

Lançamento: Fevereiro, 2017 (PC)

Desenvolvedora: AN Productions , Poxpower

Distribuidora: Armor Games

Plataforma: Celular/Tablet (Android e iOS)/PC (Windows)

Nº de Jogadores: Um jogador


História

O jogo se passa na era de ouro dos corajosos aventureiros e das masmorras entupidas de riquezas, porém, infelizmente, você é um pobre covarde sem um tostão no bolso. Essa situação leva você a refletir que invadir uma masmorra é mais do que um simples desafio. Em uma noite parada, sentado na taverna de refrigerantes local, você pensa se existe alguma possível solução e, ponderando seu destino, uma ideia surge na cabeça: ”Se apenas outras pessoas pudessem ser persuadidas para se aventurarem por mim…”.

 

Pacata vila da taverna do refrigerante

 

Ao avistar um sujeito na taverna, você decide ir falar com ele. E ele diz: “EU NÃO TENHO MEDO DE NINGUÉM! VOCÊ ME OBSERVA!! BORA LÁ! É ISSO AÍ, É ISSO AÍ, BORA LÁ!”. Rapidamente, você percebe que ele está sob o efeito de substâncias químicas e constata que o refrigerante do local facilita o processo de persuadir pessoas, que certamente fariam coisas perigosas por você. Além dessas descobertas, você conclui que ali paira um novo modelo de fazer negócios.

 

No jogo é normal ver alguns viciados só de cueca

 

Ao sair da taverna e entrar na masmorra, você percebe que o sujeito está alucinado e no clima para uma boa briga. O primeiro monstro é facilmente derrotado e o drogado se alegra com o ouro encontrado, dizendo que ainda é invencível. No segundo monstro derrotado, diz que não sentiu nada durante o combate. No terceiro monstro, o nosso rapaz já diz que não está se sentindo bem. Na quarta batalha, ele apanha pra valer e, percebendo que está quase sendo apagado, ele foge gritando que não quer morrer pois tem esposa e filhos. Mas o seu olhar brilha ao ver que ele deixou todo o ouro para trás! Sim, você encontrou uma mina de ouro!

 

Fujão!

Jogabilidade

O jogo é uma mistura do gênero “Idle” com “RPG”. Os jogos “Idles” são conhecidos pelos upgrades infinitos e por se jogar alguns minutos para depois de horas colher algum resultado da sua jogatina, ou seja, esperar! Mas este jogo é um bocado diferente. Você pode ficar freneticamente jogando, e assim bolar estrategicamente suas jogadas, como deixar tudo acontecer no automático (o que não recomendo pois irão gastar todo seu MP nos momentos mais errados).

Soda Dungeon é muito parecido com o sistema de batalhas dos antigos Final Fantasy, o qual funciona por turnos e cada personagem tem uma classe e habilidades diferentes. No começo, está disponível apenas a classe “Soda Junkie”- algo como “Viciado em refrigerante” – a qual tem custo zero para ser contratada e sua durabilidade é menor do que um palito de fósforo em chamas (hipérbole, confesso, mas quase real).

 

Isso que eu chamo de galo frito

 

O jogo também conta com um mercador de armas e o vendedor de refrigerantes dentro da taverna. Em troca do dinheiro derrubado pelos monstros (e posteriormente pelos aventureiros que você persuade), é possível expandi-la para que essa tenha maior reputação, atraia maior número de aventureiros, diminua os preços de contratação dos heróis, possua um banqueiro que gera dinheiro sem que você esteja no jogo e muitas opções a mais! O vendedor da taverna ainda oferece os mais variados tipos de refrigerante, cada sabor adquirido é uma nova classe que pode ser atraída ao local. Muito doido.

 

Taverna um pouco expandida

 

Na masmorra, é possível ver que cada nível (level) possui 11 salas. A 5ª sala possui um “Mini boss” e a 10ª o boss de verdade; a 11ª sala é uma com tesouros de recompensa (melhor sala de todas). A masmorra possui eventos aleatórios e é quase infinita, mas não é necessário começá-la do nível 1 toda vez que se morre, por um tanto de dinheiro, há a possibilidade de ir a lugares que você já alcançou antes. Também é possível acessar um portal que volta desde no início do game , mas com benefícios perpétuos de alguns atributos, deixando o jogo mais fácil cada vez que se retorna.

 

No início, conseguir dinheiro é brabo..

Impressões gerais

A lógica do jogo é simples: escolha sua equipe, equipe-a com itens estratégicos, faça suas jogadas e queira sempre ganhar mais. Sério, mais viciante do que refrigerante, é esse game. Você pode gastar horas nele sem mesmo perceber que jogou tanto! Não parece, mas tome cuidado com ele, a ganância de querer conseguir sempre algo a mais e melhorar seus itens é a sua gasolina. O jogo consegue te prender. Ele conta com inúmeros upgrades, loot (mas muito loot) e um modo de jogo de missões diárias.

 

Escudos patrocinados pelas tartarugas ninjas

 

Não há segredos para aprender os comandos, que são simples, fáceis e intuitivos. É necessário gostar ao menos um pouquinho de jogos de sistema de turnos, senão odiará Soda Dungeon. É de graça tanto para PC como para Android e iOS. A versão paga remove os anúncios e também é possível comprar dinheiro dentro do jogo, mas tudo pode ser conseguido sem gastar nadinha, é só jogar bastante!

História: 10 exp. Bom contexto para dar início ao jogo que praticamente precisa só dele mesmo para existir. Ideia inovadora para mundo dos RPGs, onde refrigerante não tinha vez.

Gráficos:  10  exp. Pixelados, bem colocados, mas nada de chamar muita atenção! Os gráficos prometem e fazem bem naquilo que o game promete.

Jogabilidade: 20 exp. Sem dúvidas, simples, sem complicação nenhuma e com uma batalha de RPG que pode ser jogado toda a hora.

Replay: 20  exp. Melhor aspecto do jogo! Você irá retornar, sem dúvidas, para conseguir mais loot, mais upgrades e ver até onde chega na masmorra novamente.

Som:  05 exp. Música irritante, sons marcantes dos jogos antigos de RPG. Não faz muita diferença o game sem som, porque de tanto jogar você vai se irritar com tudo uma hora, tenha certeza.

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: