Brotherband – Os Exilados

Home / Resenhas / Livros / Brotherband – Os Exilados
Helton Kazume

Helton Kazume

Colaborador em Com'Aboard Geek Culture
Você sabia que Helton Kazume é colaborador da Com'Aboard? Quer ler resenhas publicadas por ele? Confira abaixo! =] Se quiser conhecer mais sobre este colaborador, acesse "Nossa Equipe" no menu principal!
Helton Kazume

Últimos posts por Helton Kazume (exibir todos)

 

Saudações, pessoal! Vamos falar hoje sobre o primeiro livro da série Brotherband, um spinoff de Rangers – Ordem dos Arqueiros que já foi já comentado aqui no site (link). Ambientado em um universo clássico de fantasia medieval, o livro narra as aventuras náuticas do garoto Hal – um exilado que sofre preconceito por ser pequeno e fraco comparado aos fortes escandinavos. Apesar das tribulações iniciais, Hal logo perceberá que possui uma habilidade especial capaz de torna-lo um líder bastante popular entre os seus: sua inteligência.


Ficha técnica

Título original: Brotherband 1 – The Outcast

Autor: John Flanagan

País de origem: Austrália

Gênero: Fantasia, aventura

Lançamento (país de origem): 2011

Editora (país de origem): Randon House Australia

Lançamento (Brasil): 2012

Editora (Brasil): Fundamento

Tradução: Sertão Produções Artísticas e Cinematográficas LTDA

Páginas: 352

Preço: R$26,95 (24/09/16)


História

A narrativa se inicia com um prólogo doze anos antes da linha principal da história onde Mikkel, um dos melhores guerreiros da escandinava e pai do protagonista Hal, morre em batalha. Antes de falecer, Mikkel faz com que seu melhor amigo Thorn prometa que irá cuidar de Hal e Karina (sua esposa) enquanto viver. Mas na viagem de volta, Thorn passa por grandes adversidades e tem seu braço direito amputado em uma tempestade. Sem o membro, ele percebe que nunca mais poderá ser um guerreiro, adere ao vício do álcool, fica depressivo e se esquece da promessa que fez a Mikkel. Eis que então Karina entra em cena e ajuda Thorn a encontrar um novo rumo para sua vida.

 

widescreen_book1

 

Seis anos após o prólogo, a história se inicia de fato na Escandinava sob a perspectiva do jovem Hal. Hal é um mestiço, com a mãe ex-escrava (Araluen) e pai escandinavo (Mikkel). Isso somado ao fato de ele ser franzino em relação aos amigos nos faz entender o porquê dele sofrer tanto bullying no livro (crianças são terríííveis).

Apesar das limitações físicas, Hal tem inteligência e inventividade dignas dos arqueiros reais de Araluen. Com seu espírito inventivo, Hal desenvolve uma vela de navegação própria para o seu primeiro navio: A Garça. O navio recebe este nome devido ao exclusivo design da vela que lembra a asa da ave (foto abaixo). Testado nas praias, o navio fica pronto para o treinamento da Brotherband, uma escola de guerreiros escandinavos que ensina técnicas de navegação e luta. Mesmo com a invenção da vela, Hal demora para convencer os outros garotos da preciosidade de sua invenção.  Seus conterrâneos acreditam que seja impossível mudar de uma hora para outra o formato da uma vela e ser capaz de velejar em alto mar com ela. Nem precisamos dizer o quanto eles estavam enganados…

 

garca


Estilo

A narrativa possui escrita simples, com ressalva para os termos náuticos (particularmente, não conhecia quase nenhum). Porém, para auxiliar essa questão exsite um glossário no começo do livro que explica todos os termos e facilita a leitura. O narrador é em terceira pessoa onisciente e neutro. O livro é dividido em partes e em capítulo. As partes dividem o livro em temas que por sua vez, são subdivididos em episódios. Uma das grandes qualidades do autor é o detalhamento impecável: todos os ambientes e os personagens são muito bem descritos.


Personagens

Hal: um garoto meio Araluen e meio escandinavo. É pequeno e franzino, por outro lado, sua inteligência, seu modo rápido de pensar e sua facilidade em inventar coisas superam as habilidades dos fortes escandinavos. Depois que entrou para a Brotherband, aprendeu a manusear espadas que eram mais leves do que os pesados battleaxe (as principais armas dos escandinavos) e atirar com bestas. É líder do Brotherband Heron, uma das equipes do da escola Brotherband.

Thorn: melhor amigo de Mikkel, pai de Hal. Por três anos seguidos teve o título de Maktig (o maior título que um guerreiro escandinavo poderia ter) – ninguém jamais conseguiu ter o título além de um ano. Em uma viagem de volta para a Escandinava, Mikkel perde seu braço direito e entra em depressão por não poder ser mais um guerreiro.

Mikkel “Fastblade”: pai de Hal. O melhor e mais veloz espadachim da escandinava. Morreu em uma missão junto com a equipe de Erak, com uma lança enfincada debaixo de seu braço.

Karina: mãe de Hal. Era de Araluen e escrava da Escandinava, mas foi libertada por Mikkel, e mais tarde se casou com ele.

Stig: melhor amigo de Hal. Tem o habito de perder a paciência rápido e por pouca coisa, mas com o tempo consegue controla-la. Ótimo guerreiro, é considerado o melhor na Brotherband.

Erak: era o skirl (líder/dono) do navio Wolfwind. Mikkel e Thorn fora seus irmãos de guerra. Um tempo depois se torna o Oberjarl (o mesmo que um rei em uma monarquia) da escandinava.

Ulf e Wulf: são dois gêmeos univitelinos. Fazem parte da tripulação de Hal e são responsáveis por manipular a vela do navio. Apesar de serem idênticos, zombam um ao outro pela desagradável aparência. Gostam de se contrariar e brigar a maior parte do tempo.

Ingvar: um garoto muito forte, seria um ótimo guerreiro se não fosse pela sua deficiência visual. Infelizmente, essa limitação faz com que ele mais atrapalhe do que ajude nos combates. Extremamente leal a Hal e o único capaz de carregar as gigantes bestas dentro do navio. Treinado por Thorn, desenvolve a habilidade “enxergar” com os olhos fechados, conseguindo imaginar todo o cenário de batalha através dos outros sentidos.

Tursgud: o antagonista e líder da Brotherband Shark. Conhecido por sua maldade e arrogância, ele é odiado pelas outras equipes. Seu pai é o atual Maktig, o que faz com que se gabe ainda mais.

Rollond: líder do Wolf Brotherband. Apreciado por muitos por ser uma pessoa justa e de bom senso. Sua equipe foi desclassificada na Brotherband porque seu barco foi sabotado e não pôde concluir a última prova da escola.

Ritmo: 13 exp. No começo a leitura é difícil para aqueles que não entendem muito bem sobre navios. Fiquei um pouco perdido nas palavras, mas com a presença do glossário, depois que decorei os principais termos, a leitura fluiu muito bem.

Personagens: 16 exp. No geral são muito simpáticos, com exceção do antagonista que é antipático e arrogante (chegando a dar raiva).

Qualidade da plot: 17 exp. História bem amarrada com muitas aventuras recheadas de armas e artefatos. Prende o leitor desde a primeira página

Cuidado com os detalhes: 20 exp. Como em Rangers, o autor trabalha muito bem em cima dos detalhes, fazendo com que nos imaginemos no cenário. As cenas de ação e aventura em si são muito boas.

Empatia com o leitor: 17 exp. Autor bom e personagens muito carismáticos. Acho difícil não se simpatizar com a obra.

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: