Tricky Towers

Home / Resenhas / Games / Tricky Towers
Gustavo Ferratti

Gustavo Ferratti

Sócio Fundador em Com'Aboard Geek Culture
Você sabia que Gustavo Ferratti é fundador da Com'Aboard? Quer ler resenhas publicadas por ele? Confira abaixo! =]
Gustavo Ferratti

Últimos posts por Gustavo Ferratti (exibir todos)

 

Imagine um Tetris onde as peças têm peso, o movimento dos blocos não siga um grid e a famosa Lei da Gravitação de Newton se aplique. Parece confuso? Bom, deixe-me explicar de outra forma… Lembra-se de quando no Tetris você fazia isso:

tetris_cover
“Joga tudo pro canto pra fazer combo quando vier a peça cumpridinha….”

 

Em Tricky Towers, isso pode resultar na queda de sua torre! Ficou indignado? Pois é, até parece que você não sabe que estruturas altas precisam de um alicerce sólido, Sr. Engenheiro.  Resgate todo seu conhecimento de Construção Civil (se existir algum) e prepare-se para fazer torres MUITO, mas MUITO altas.

imagem
4 players batalhando online para ver quem manda a torre mais alta. Que vença o melhor!

 


Ficha Técnica

Título original: Tricky Towers

Lançamento: 2016

Desenvolvedor: Weird Beard

Categoria: puzzle

Plataforma: Playstation 4

Número de jogadores: 1 a 4 jogadores

Online: Sim


Sobre o Game

Você controla um pequeno mago em cima de uma nuvem capaz de invocar poderes mágicos que afetam as peças do jogo. Todo o mago é capaz de utilizar dois tipos de magia: a branca (beneficia seu personagem) e a negra (prejudica os outros personagens). Os efeitos da magia são bem legais e ajudam a dinamizar o jogo com surpresas. Por exemplo, quando tudo parece perdido, você invoca uma erva daninha que lhe ajuda a encaixar perfeitamente uma peça no meio de uma desordem. Ou ainda, quando o outro jogador está ganhando, você faz com que as peças dele passem a cair mais rápido para que ele perca o controle.

No geral, as partidas são bem rápidas, durando não muito mais do que 3 minutos. Há multiplayer local e online com até 4 jogadores competindo simultaneamente. O modo carreira também é bem interessante com 50 quebra-cabeças bem desafiadores. Você gastará umas boas horas tentando completa-los e mais umas boas horas para alcançar os achievements que podem deixar veteranos de cabelo em pé.


Desconstruindo o Tetris

Ao todo o jogo possui 3 modalidades:

  • Corrida: subir sua torre mais rápido até certa altura.
  • Sobrevivência: Usar uma quantidade definida de peças deixando cair no máximo 3.
  • Quebra-cabeça: encaixar a maior quantidade de peças possível em uma altura limitada.

E o que é mais fascinante é que sua forma de jogar varia drasticamente em cada uma delas. Você deve sempre avaliar o contexto da prova, o tempo e os oponentes. Isso torna a estratégia algo extremamente necessário. Por exemplo, uma construção neste formato:

1

Faria com que Alexey Pajitnov, o criador de Tetris, ficasse extremamente decepcionado:

sacrilegio

Contudo, pode ser uma boa estratégia se você quiser chegar ao topo mais rápido que seus oponentes. Não necessariamente quem não deixar espaços em branco, atingirá o melhor resultado.
Por outro lado, se você estiver procurando densidade de peças, deixar espaços em brancos pode ser arriscado. Em outras palavras, Tricky Towers é brilhante. Um jogo que todo amante de Tetris deve ter em sua biblioteca de games.

Link para o trailer.

História: 12 exp. Não tem um modo campanha que consiga encaixar a temática do game a uma história com começo, meio e fim. Mas existem 50 missões de “rachar a cuca” a la angry birds para jogadores solo.

Gráficos: 14 exp. São “bonitinhos”, não extraordinários. Deveriam haver mais personagens jogáveis free e mais cenários.

Jogabilidade: 17 exp. Jogabilidade tão simples quanto Tetris, porém com uma dinâmica a mais devido aos efeitos das magias e ao peso das peças.

Replay: 20 exp. É o ponto mais forte do jogo. As partidas são rápidas, exigem raciocínio e pensamento ágil e as modalidades diversificam bastante o estilo de jogar.

Som: 8 exp. Vozes e músicas se tornam irritantes depois de algumas horas de jogo. Pessoalmente, optei por colocar a TV no mudo.

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: