Starbound

Home / Resenhas / Games / Starbound
Caio Racy

Caio Racy

Ex-colaborador em Com'Aboard Geek Culture
Você sabia que Caio Racy já foi colaborador da Com'Aboard? Quer ler resenhas publicadas por ele? Confira abaixo! =]
Caio Racy

Últimos posts por Caio Racy (exibir todos)

 

“Starbound é um jogo de aventura “sandbox” extraterrestre! Você saiu de casa, apenas para se encontrar perdido no espaço com uma nave quebrada. Sua única opção é descer para o planeta mais próximo e coletar recursos necessários para consertar sua nave e assim, partir para explorar o vasto, infinito…”

Tradução livre do site oficial (link)


Ficha Técnica

Titulo Original: Starbound

Lançamento: 2016 (oficial)

Gênero: Ação, Aventura, Casual, Indie, RPG

Desenvolvedora:  Chucklefish

Plataforma: PC, PS4, Xbox One, PS Vita


Sempre adorei jogos no estilo “sandbox”, afinal eles remetem muito a liberdade do jogador em fazer o que quiser e quando quiser, não precisando seguir a rotina da história principal. Não é diferente com Starbound, cuja proposta era de criar um game no estilo Minecraft, tanto na qualidade, quanto na imensidão.

Quando anunciaram Starbound pela primeira vez, fiquei com medo de acabarem com o suporte ao Terraria que era (ainda é) um jogo muito sensacional dos mesmos produtores. Por sorte que estava enganado. Starbound chegou a Steam com acesso antecipado na versão Alfa (lógico que eu joguei) com muitos bugs no início, sem história principal, poucas quests e vários planetas para serem explorados (VÁRIOS MESMO!).

 

Uma das mais variadas civilizações
Uma das mais variadas civilizações

 

Após vários e vários updates de versões alfa e beta, finalmente ele foi lançado. Earthbound foi um dos poucos jogos que adquiri com acesso antecipado e não há arrependimento algum. Ao ser lançado oficialmente (e eu fazer todas as atualizações necessárias) percebi que estava I N C R Í V E L. Parecia outro jogo! Confira o trailer do lançamento oficial aqui.

Você começa sua jornada em uma formatura de cadetes quando, no meio da cerimônia, um ser maléfico acorda e destrói tudo que está ali. Você escapa com sua nave cheia de estragos para um planeta, devendo coletar recursos para conserta-la e impedir que esse ser destrua todo o universo.

O processo de criação de personagem é bem amplo e possui várias características. Cada uma das classes tem uma habilidade passiva diferente que não é revelada ao jogador que deve entender como seu personagem funciona.

 

Tela de criação de personagens
Tela de criação de personagens

 

O jogo tem a essência do “sandbox” com características únicas, gerando a ambientação randomicamente, bem como o nível de dificuldade e o que cada galáxia possui. A experiência de jogo mostra o quão insignificante o seu personagem é em meio à imensidão galáctica, fornecendo MILHÕES de possibilidades e quests em inúmeros planetas.

Explorar, caçar, sobreviver, colonizar, construir, evoluir, destruir, aniquilar, comprar, conversar, expandir, nadar… São só algumas das coisas que você pode pensar em fazer a medida que avança na quest principal. Ao contrário do sistema de level, você só ficará mais forte quando explorar mais galáxias e coletar recursos para poder fabricar suas armas, upgrades, armaduras, tecnologias e itens de sobrevivência. Mas é claro, não se esqueça de abastecer! Afinal combustível para sua nave é essencial nessa jornada 😉

Nave inicial dos Glitch...
Nave inicial dos Glitch…
... e sua pequena evolução!
… e sua pequena evolução!

 

Starbound marca muitos pontos referentes ao palco de games de hoje em dia por não pertencer as grandes produtoras e ser em 2D sem deixar a desejar no quesito diversão. Com certeza você conseguirá perder muitas horas nesse mundo extenso… gigante… infinito!  

História: 13 exp. Apesar de possuir uma missão principal para seguir e avançar no jogo, ela acaba ficando ofuscada quando o quesito é poder fazer qualquer coisa. É uma história simples e boa, apenas para iniciar os jogadores ao universo de coisas que lhes aguardam.

Gráficos: 20 exp. Sim é um jogo 2D pixelizado, mas a qualidade das animações e detalhes no desenvolvimento do ambiente. tornam os gráficos agradáveis e lindos.

Jogabilidade: 10 exp. Por ser um jogo imenso, sua jogabilidade é muito boa. O que atrapalha é o inventario um pouco confuso que limita a realização de várias ações seguidas, ou eliminação de itens.

Replay: 20 exp. Atualizações são frequentes e, ainda sim, duvido muito que alguém consiga explorar toda a imensidão de mapa e galáxias disponíveis no jogo. Diversão sempre garantida.

Som: 12 exp. As músicas dos cenários são muito boas e envolventes, os sons das armas e dos monstros são bons, mas repetitivos e irritantes após algum tempo.

 

2 Comments

  • Marcelo Pesse

    Curti, é bem o estilo de jogo que gosto tbm, em meio a tantos lançamentos de grandes produtoras e jogos cinematográficos e ultra realistas, esse jogo mostra que games com mais simplicidade gráfica podem ser muito divertidos tbm, ou até mais =P

    • Exatamente, esse e muitos outros jogos indie estão tomando o mercado com sua simplicidade e sua qualidade, principalmente na plataforma Steam que, cada vez mais, abre espaço para produtoras independentes publicarem e anunciarem seus trabalhos, fazendo-as crescer.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: