Spelunky

Home / Resenhas / Games / Spelunky
Gustavo Ferratti

Gustavo Ferratti

Sócio Fundador em Com'Aboard Geek Culture
Você sabia que Gustavo Ferratti é fundador da Com'Aboard? Quer ler resenhas publicadas por ele? Confira abaixo! =]
Gustavo Ferratti

Últimos posts por Gustavo Ferratti (exibir todos)

 

Dungeons subterrâneos totalmente aleatórios e humanamente impossíveis de se resolver. É disso que se trata Spelunky! Um explorador (com um MEGA nariz) entra em uma caverna subterrânea colossal com um monumento maia capaz de modificar suas paredes e passagens de forma imprevisível. E quanto mais você desce, mais bizarra a coisa fica. O que parece ser uma aventura estilo “Indiana Jones” nos primeiros níveis, passa a contar com aliens, mamutes e mortos-vivos nos mais diversos biomas subterrâneos. Ganhador do título Game of The Year pela PC gamer e do concurso Independent Games Festival (link), Spelunky é para quem gosta de um bom desafio e da imprevisibilidade de explorar sempre um cenário diferente.

 

 


Ficha Técnica

Título original: Spelunky

Lançamento: 2012

Desenvolvedor: Mossmouth Games

Categoria: Indie, Survival, Aventura, Puzzle

Plataforma: PC, Xbox (360 e One), Playstation (Vita, 3 e 4)

Número de jogadores: 4

Online: Sim


Desenvolvimento do Game

Spelunky era um game indie despretensioso do estilo roguelike (o que você tem que morrer inúmeras vezes para aprender a como jogar, mencionamos a primeira vez o estilo em Rogue Legacy) desenvolvido pelo americano Derek Yu. O jogo ainda se encontra disponibilizado gratuitamente para Windows com o código-fonte inteiramente aberto para quem quiser aproveita-lo em algum outro jogo ou MOD (link aqui). O grande sucesso do título fez com que ele e fosse lançado na X-Box Live, ganhando uma “roupagem nova” (que lhe rendeu alguns prêmios em design), adaptação para comandos em joystick, modo cooperativo e rankings online. O sucesso da Live faz com que Spelunky não demore muito para chegar a GOG, PSN e Steam, para a nossa alegria =]

Antes, uma boa ideia. Depois, uma boa ideia patrocinada por um profissional.
Antes: uma boa ideia com limitação de recursos. Depois: uma boa ideia em um estúdio profissional

 


Cenário

O cenário de Spelunky é randomicamente gerado e totalmente destrutível pelas bombas que seus personagens portam. Isso nos permite explorar os níveis da forma que acharmos mais conveniente, desde que cumpramos o objetivo de chegar a saída que leva ao próximo nível.

 

Um início, um fim, uma infinidade de caminhos
Um início, um fim, uma infinidade de caminhos

 

Os biomas também são bastante variados. São 5 tipos de cenários exploráveis nos 20 níveis necessários para fechar o jogo (parece pouco, mas lhe desafio a sobreviver do nível 1 ao 20!): Minas, Floresta, Caverna de Gelo, Templo e Inferno. Além disso, existem alguns cenários especiais que podem ser descobertos por meio de passagens secretas e eventos específicos. São eles: Castelo Mal-Assombrado, Mercado-negro, A Minhoca, a Nave-Mãe, A Cidade Dourada.

Cenários Normais e Especiais
Cenários Normais (linha “de cima”) e Secretos (linha “de baixo”)

 

Jogabilidade

Os recursos de Spelunky são bastante limitados, o que obriga você a usá-los com muita sabedoria. Você inicia o jogo com 4 bombas (capazes de destruir paredes e monstros), 4 cordas (que lhe permite vencer grandes alturas) e um pequeno chicote capaz de matar ou atordoar seus inimigos (dependendo da força de cada um deles). Além dos itens básicos indicados no topo da tela existem muitos outros objetos que você pode arremessar disponíveis no mapa. Praticamente TUDO é arremessável: corpos de inimigos, companheiros de jogo, monstros, pedras, crânios, donzelas, cachorros.

Você pode jogar tudo (tipo TUDO MESMO)
Você pode arremessar tudo (tipo TUDO MESMO)

 

Como um jogo de plataforma, Spelunky exige coordenação e habilidade motora para executar saltos, corridas, agarrar-se em beiradas, etc. Você pode adquirir itens que modificam substancialmente a jogabilidade (indicam a saída, colam bombas na parede, aumentam o pulo do personagem, amortecem quedas, eliminam inimigos). Eles podem ser adquiridos de duas formas: dentro de caixas e baús ou comprando-os nas lojas (ou apostando na roleta). Mas fica a dica: o velho Max, surpreendentemente dono de todas as lojas espalhadas pelo mapa, é bastante detalhista e zeloso com seus pertences pessoais. Tente sair da loja sem pagar ou quebre qualquer um dos blocos adjacentes a loja e terá que enfrentar a fúria da 12 que ele guarda atrás do balcão!

 

shopping_spelunky
Você pode comprar as coisas por um preço justo, mas tente bancar o espertinho e irá se ver com Max – O Vendedor!

 

Você também começa o jogo com quatro pontos de vida que podem ser recuperados por meio de beijos de donzela. Para ganhar um beijo, terá que levar a donzela até o final do mapa ou pagar por ele nas “Casas de Beijo”. Golpes de inimigos, queda alta e as fagulhas de uma explosão decrementam seu marcador de vida, mas atenção: ARMADILHAS TE MATAM INSTANTANEAMENTE. INDEPENDENTEMENTE DE QUANTOS PONTOS DE VIDA TIVER. Este é um dos fatores que turna Spelunky tão desafiador. Por mais que você esforce para ser um cara com muitos pontos de vida, uma vacilada e não terá beijo de donzela que te salvará.

 

Nada mais revigorante que o beijo de uma donzela
Nada mais revigorante que o beijo de uma donzela

 


Multiplayer

Apesar do jogo ser desafiante sozinho, é a modalidade de multiplayer que torna o game muito mais divertido. Em primeiro lugar, porque você pode diversificar seu repertório com personagens maneiríssimos que você não tem o cuidado de escolher quando está jogando sozinho.

20 personagens jogáveis (você irá querer liberar todos!)
20 personagens jogáveis (você irá querer liberar todos!)

 

Além disso, a campanha do jogo pode ser jogada integralmente em até 4 jogadores. Poxa, Gustavo! Mas aí o jogo fica muito fácil! Bem, nem tanto… Além do controle da câmera ficar restrito a um personagem (que porta uma bandeira branca), confinando os jogadores a um pedaço limitado da tela, todos os personagens podem atingir uns aos outros (friendly fire on), o que torna a limitação do espaço algo ainda mais difícil. Jogar com 4 jogadores é um verdadeiro desafio de trabalho em equipe que exige níveis compatíveis de experiência, já que basta uma bomba mal lançada para o amiguinho. Está certo que existem caixões espalhados pelo mapa capaz de ressuscitar personagens mortos, mas mesmo assim o desafio é preservado.

 

multiplayer_spelunky
Quanto mais jogadores, maior a chance de sobrevivência (ou não)

 

Outra modalidade de multiplayer é o modo arena, que permite que jogadores batalhem até a morte em uma espécie de Bomberman com ritmo acelerado. Rankings online são estabelecidos para comunidade gamer, desafios diários são estabelecidos, o que aumenta ainda mais o replay.

 

Arena Spelunky: Porque matança é sempre bom!
Arena Spelunky: porque Bomberman nunca sai fora de moda!

História: 17 exp. Houve um cuidado de encaixar a história do jogo à temática proposta. Explica-se o porquê dos mapas serem randomicamente gerados, os elementos descobertos vão sendo devidamente explicados no diário do aventureiro, etc. Apesar do foco do jogo não ser a história, ela se encaixa elegantemente como pano de fundo para o título de aventura.

Gráficos: 18 exp. Design sensacional, com personagens carismáticos em estilo cartoon, efeitos especiais e jogos de luz muito bem feitos.

Jogabilidade: 20 exp É o grande diferencial do jogo. Comandos precisos, habilidade do jogador pela experiência, monstros imprevisíveis, itens que afetam significativamente a experiência do jogo, excelente multiplayer e muito bom humor em quase todas as interações entre personagens.

Replay: 15 exp. Muito alto pelos cenários randômicos, diversidade de itens, monstros, passagens secretas, etc. Não chega a ser perfeito, porque as vezes o jogador precisa de um break frente às mortes consecutivas e extremamente frustrantes.

Som: 12 exp. A trilha sonora é bem produzida, mas pode enjoar devido as inúmeras mortes.

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: