Mr. Robot: Sociedade Hacker

Home / Resenhas / Filmes e Séries / Mr. Robot: Sociedade Hacker
Gabriela Monteiro

Gabriela Monteiro

Colaboradora em Com'Aboard Geek Culture
Você sabia que Gabriela Monteiro é colaboradora da Com'Aboard? Quer ler as resenhas publicadas por ela? Confira abaixo! =] Se quiser conhecer mais sobre esta colaboradora, acesse "Nossa Equipe" no menu principal!
Gabriela Monteiro

 

Sabem aquelas teorias da conspiração em que estamos sendo observados durante todo o tempo? Em que a mídia ou mesmo as grandes corporações controlam tudo o que lemos, vemos ou vivemos? A partir da vontade de se livrar desta máquina, surge a temática de Mr. Robot! Com críticas à sociedade e ao sistema atual, além de um protagonista nada carismático, e talvez até um pouco estranho se comparado com o usual, Mr. Robot é um dos mais diferentes seriados do momento e se remete a um assunto obscuro e de domínio de poucos: o hackerismo.

Apesar da utilização de termos técnicos da área da tecnologia da informação, a narrativa e o jeito que a trama é desenvolvida não impedem o entendimento dos episódios. As características que tornam a série inusitada não param por ai: dificilmente o enquadramento das cenas foca ou centraliza o que realmente é importante naquele momento (constantemente o rosto do personagem é voltado para o canto da tela, mostrando um grande vazio no restante do cenário), sem falar que as cenas de tensão em conjunto com as cores obscuras dos episódios se contrastam com a trilha sonora alegre e de ritmo eletrônico.

Outra peculiaridade que, particularmente, achei interessante são os nomes dos episódios, os quais se remetem aos arquivos de computadores: eps1.0_hellofriend.mov. Dificilmente quem assiste ao episódio piloto não continuará a acompanhar o restante. O sucesso deste primeiro episódio, que propositalmente vazou na internet, foi tão grande que, antes mesmo de sua estreia oficial, a série foi renovada para a segunda temporada!

 

Exemplo de enquadramento das cenas.
Exemplo de enquadramento das cenas.

Ficha Técnica

Título original: Mr. Robot

Gênero: Drama, Suspense

Lançamento: 27 de maio de 2015 (piloto – plataformas digitais), 24 de junho de 2015 (1ª Temporada) e 13 de Julho de 2016 (2ª Temporada).

Criador: Sam Esmail

Diretor: Sam Esmail

País de origem: Estados Unidos

Duração: 45 minutos (média), 65 minutos (piloto)

Número de episódios: 10 (1ª Temporada), 12 (2ª Temporada)

Número de temporadas: 2 (Renovada para a terceira)

Plataforma: original pela USA Network, no Brasil pelo canal de assinatura Space, pela Rede Record na TV aberta.

 

mr-robot-3
Outro exemplo de enquadramento

Preview • SPOILER ALERT •

-Hello, Friend!

A história começa mostrando a rotina de Elliot Alderson, um engenheiro de segurança cibernética com problemas de transtorno de ansiedade social e depressão. Elliot divide sua vida entre às sessões de terapia, o uso de drogas, o trabalho na AllSafe Cyber Security, empresa que protege uma das maiores corporações de tecnologia do mundo – a fictícia Evil-Corp – e a vigilância noturna como um white hat hacker (“hacker do bem”) por meio de invasão de computadores (principalmente de pessoas próximas, como os relacionamentos de sua psicóloga ou de sua amiga de infância Ângela que, por sinal, é a única personagem “normal” da série).

Sua rotina segue normalmente até que se vê no meio de uma grande decisão ao receber uma proposta de um misterioso homem que se autodenomina Mr. Robot. A proposta é para que Elliot colabore com um grupo hacker-ativista, a F-Society.Esse grupo possui a missão de destruir a empresa que Elliot é pago para proteger e, assim, salvar a sociedade de dívidas e causar transtornos na economia mundial. Durante a trama, é possível saber o que se passa na mente quase paranoica de Elliot, uma vez que ele conversa constantemente com seus amigos imaginários (que são nada mais, nada menos que nós, seus telespectadores)! Aliás, a maioria das falas dele é dirigida a nós em uma quebra da quarta parede. Mr. Robot conta ainda com um “plot-twist” em seu oitavo episódio, no qual os telespectadores irão querer rever tudo por outra ótica.

 

Ameaça hacker – máscara do grupo hackerativista F-Society
Ameaça hacker – máscara do grupo hackerativista F-Society

Curiosidades e Premiações

Em algumas entrevistas o criador e diretor Sam Esmail comentou sobre as inspirações que usou para a criação de Mr. Robot. Inicialmente, começou a escrever o enredo para um filme, mas logo percebeu que, pela complexidade e extensão da trama, seria melhor desenvolver uma série. Segundo ele, o enredo já está planejado e sabe aonde quer levar seus personagens. Com sorte, o programa contará com quatro ou cinco temporadas.

Sam Esmail também conta que as grandes referências para o desenvolvimento da trama e dos personagens de Mr. Robot foram os filmes The Matrix, Clube da Luta, V de Vendetta e Taxi Driver. Também tiveram influências as produções como Psicopata Americano, Breaking Bad e Blade Runner.

Para dar veracidade à trama, a série trabalha com ex-hackers de verdade como consultores. Eles chegam a fazer alguns testes e também ajudam com os termos técnicos. Claro que a série acaba mostrando o processo de maneira simplificada, pois um ataque de verdade poderia levar bem mais tempo. Além disso, cada localidade das cenas é real (a trama se passa na cidade de Nova York). Em praticamente nenhum momento, são utilizados cenários fictícios.

Outra curiosidade é a máscara utilizada pelo grupo hacker F-Society em suas aparições públicas de ameaças. Ela tem como inspiração a máscara do personagem histórico Guy Fawkes, protagonista da Conspiração da Pólvora ocorrida na Inglaterra no século XII. Símbolo de anarquia e rebelião, a máscara do rosto de Fawkes foi desenhada pelo co-autor da HQ V de Vendetta e é utilizada atualmente pelo grupo hackerativista Anonymous.

Renovada para a terceira temporada, Mr. Robot já conta com algumas premiações, entre elas, a do Globo de Ouro 2016 como Melhor Série Dramática (ganhando de nomes como Game of Thrones, Outlander e Narcos) e Melhor Ator Coadjuvante para Christian Slater (Mr. Robot) e também o prêmio de Melhor Ator em Série Dramática para Rami Malek (Elliot Alderson) no Primetime Emmy Award 2016.

 

Elenco de Mr. Robot na premiação do Globo de Ouro.
Elenco de Mr. Robot na premiação do Globo de Ouro.

Ritmo: 16 exp. O ritmo varia de episódio para episódio, de cena para cena. Há momentos de tensão que prendem muita a atenção do telespectador e outros que exigem um pouco de paciência para acompanhar. Mas essas quebras de ritmo são por vezes propositais, tanto que são causadas também pela trilha sonora.

Personagens: 18 exp. Atuação excelente. Porém, como as características dos personagens fogem um pouco do padrão, podem não causar tanta identificação com o público. Não é uma série que o telespectador assistirá por ter achado um personagem bonito, por exemplo.

Qualidade da plot: 20 exp. Excelente. Trama criativa, crítica, diferente, fora do padrão.

Cuidado com os detalhes: 20 exp. Excelente. Preocupação com o enquadramento, com a paleta de cores, com a veracidade, com a trilha sonora, com as referências. Enfim, com tudo o que falei e um pouco mais.

Empatia com o telespectador: 17 exp. Como já falei, pode ser que a empatia do telespectador não seja completa devido aos personagens fora do padrão e pela quebra de ritmo.

 

2 Comments

  • Yeah! Muito boa essa série mesmo, apesar dos pesar que passam nos percalços das temporadas.
    Muito bom o post, várias coisas que não tinha reparado como paleta de cores, enquadramento, composição do quadro e, trilha sonora. É muito boa mesmo.
    Engraçado que depois que lemos algo assim, buscamos na memória os episódios e pensamos: E como não reparei nisso antes? hahaha

    • Gabriela Monteiro

      Sim, verdade Fer! Realmente, depois que descobrimos algumas questões do seriado, dá vontade de assistir tudo outra vez, não é? Dá mesmo essa sensação de como não pensei nisso antes?? Como assim?? hehe

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: