Twilight Struggle

Home / Resenhas / Board Games / Twilight Struggle
GuiToledo

GuiToledo

Colaborador em Com'Aboard Geek Culture
Você sabia que Guilherme Toledo é colaborador da Com'Aboard? Quer ler resenhas publicadas por ele? Confira abaixo! =] Se quiser conhecer mais sobre este colaborador, acesse "Nossa Equipe" no menu principal!
GuiToledo

Últimos posts por GuiToledo (exibir todos)

 

Lembra das aulas no ensino médio sobre a Guerra Fria? A tensão em que o mundo se encontrava durante esse período de instabilidade entre os EUA e a União Soviética? Twilight Struggle é um board game para dois jogadores que utiliza esse cenário como plano de fundo para um complexo jogo de guerra, mas não baseado em soldados, mas na influência que cada super potência exerce nos diversos países do mundo.
O jogo é movido basicamente por cartas, cada uma relacionada à um importante evento do conflito, como a Crise dos Mísseis de Cuba, a criação da OTAN e do Pacto de Varsóvia, entre outros. Além de extremamente temático, o jogo é complexo e tático, exigindo a dedicação dos jogadores. Você precisará de diversos jogos para que as suas nuances sejam devidamente entendidas e apreciadas.

 

Disputa acirrada pelo leste europeu!

 

Para começar, cada jogador decide por qual lado vai jogar (EUA ou URSS). Em seguida, as influências iniciais são posicionadas no tabuleiro. Cada jogador recebe suas cartas iniciais e o jogo se inicia. No total, uma partida tem no máximo dez turnos, cada um representando aproximadamente três anos de conflito (1945 – 1989). Ao final, a super potência com a maior quantidade de pontos, vence. Mas, a partida pode acabar prematuramente, caso algum dos lados alcance 20 pontos ou consiga dominar todos os países disputados da Europa. Além disso, cado seja atingido DEFCON 1 (máxima escala de nível de alerta militar), a guerra nuclear é iniciada e o jogador que causou seu início, perde.

Cada rodada é dividida em várias fases, sendo a primeira a fase da manchete, quando cada potência deve jogar uma carta como um evento, realizando o efeito do texto da carta.

 

Exemplo da fase de machete

 

Após essa fase inicial, as potências se alternam jogando as cartas remanescente de suas mãos como eventos ou como pontos de operações. Caso uma carta seja jogada como evento, o efeito do seu texto acontece, assim como na fase inicial. Vale observar que cada carta possui uma estrela no canto superior esquerdo. Se a estrela for branca, indica que o evento beneficiará os EUA. Se for vermelha, a URSS. Se dupla, beneficia qualquer um dos lados. Assim, se o jogador dos EUA tiver cartas com a estrela vermelha, não há porque ele jogá-las como evento, pois beneficiará o seu oponente.

 

Foto do tabuleiro

 

Outra opção seria utilizar as cartas como pontos de operação, olhado apenas o número no interior da estrela. Esses pontos podem ser distribuídos para testes de realinhamento, responsáveis por reduzir a influência inimiga em um país, posicionamento de influência, aumentando seu próprio controle de um local, golpes de estado, tentativas de se alterar o balanço de influência de um país ou como recursos para a corrida espacial.

Cada um desses efeitos é resolvido de maneira diferente e causa o aumento ou a diminuição da influência dos jogadores nos países do tabuleiro. Alguns necessitam a jogada de dados e causam efeitos negativos, como a queda do DEFCON, aproximando a guerra nuclear.
Dessa forma, as potências se alternam realizando operações e eventos até que sobre apenas uma carta em sua mão, iniciando o próximo turno. Caso um jogador possua cartas de pontuações, elas devem ser obrigatoriamente jogadas durante a rodada e irão causar a pontuação de uma determinada região do globo, distribuindo pontos para a potência tiver o maior controle da região. Lembre-se que o controle da Europa pode causar a vitória imediata.

Após algumas rodadas, o jogo passa da fase de início de guerra para meados da guerra e depois para fim de guerra, momentos em que novas cartas são introduzidas. Durante o jogo, as potências irão ganhar pontos nos momentos de pontuações ou em eventos que as beneficiem, movendo o marcador de pontuação na direção da sua superpotência. Caso em algum momento haja uma diferença de 20 pontos entre as pontuações, o jogo termina.

Além das regras básicas, o manual também possui observações para campeonatos, além de incluir exemplos de rodadas para ilustrar o jogo e comentários históricos sobre as diversas cartas.

Ficou com vontade de jogar? É só clicar aqui para comprar com condições super especiais.


Ficha Técnica

Título original: Twilight Struggle

Criador: Ananda Gupta e Jason Matthews

Tempo Médio: 180 min.

Número de Jogadores: 2

Lançamento: 2005

Distribuidora: Devir

Preço Médio: R$219,90 (10/02/2017) – Compre aqui

Mecânica: 15 exp. A escolha de basear o jogo em cartas é ótima, bem como o fato de cada potência poder utilizar suas cartas de diversas maneiras durante o jogo. Porém, preciso retirar alguns pontos dessa categoria devido à complexidade do jogo. Serão necessários diversos jogos e até alguns vídeos da internet para que os jogadores realmente entendam a estratégias e as escolhas por trás do que se observa. Além do elevado tempo de aprendizado, este fator pode vir a ser uma barreira pra novos jogadores.

Dinâmica: 20 exp. Como o jogo é apenas para dois jogadores, há muita interação entre eles. Cada um deve observar atentamente os movimentos do outro para tomar as devidas atitudes. Além disso, se um jogador utilizar uma carta como operações que possua a estrela do seu inimigo, o evento irá acontecer mesmo assim, favorecendo seu adversário, possibilitando jogadas fora do turno e aumentando a interação dos embates.

Sorte/Estratégia: 18 exp. O jogo é extremamente estratégico. Cada jogada deve ser planejada e pensada, sendo que quem ganhará será o melhor estrategista, assim como em uma guerra real. Apoiando esse fato está a presença até de regras para campeonatos no manual. Mas, mesmo assim, algumas ações necessitam da rolagem de dados, podendo prejudicar uma jogada devidamente planejadas. Contudo, vale lembrar que esse elemento pode ser considerado temático, porque imprevistos acontecem, mesmo em movimentos minuciosamente calculados.

Replay: 14 exp. Sendo o jogo apenas para dois jogadores e bem complexo, ele dependerá da dedicação de seus jogadores, barrando novos entrantes. Além disso, como as cartas e o inicio do jogo são sempre os mesmos, devido à carga histórica do jogo, acredito que o replay também seja prejudicado.

Design: 20 exp. Nesse quesito, gostaria de dar uma nota até maior. Percebe-se que o jogo foi feito por pessoas com amor à temática, pois cada elemento do jogo possui carga histórica e belíssima arte. Isso se estende desde os recortes de jornais nas cartas até à própria caixa e ao manual, em que eventos da guerra são explicados em linhas do tempo. Simplesmente fenomenal para amantes de história e política mundial.

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: