The Resistance

Home / Resenhas / Board Games / The Resistance
GuiToledo

GuiToledo

Colaborador em Com'Aboard Geek Culture
Você sabia que Guilherme Toledo é colaborador da Com'Aboard? Quer ler resenhas publicadas por ele? Confira abaixo! =] Se quiser conhecer mais sobre este colaborador, acesse "Nossa Equipe" no menu principal!
GuiToledo

Últimos posts por GuiToledo (exibir todos)

 

Procurando um party game que não seja sobre desenhar ou adivinhar palavras? Um jogo que tenha alguma profundidade, mas, que ainda assim, possa ser jogado rapidamente e com vários jogadores? Não procure mais, você achou. The Resistance é um jogo em que os participantes são membros de um grupo rebelde lutando contra um governo tirano em um futuro distópico. Parece complexo, mas calma, é mais simples do que parece. Os jogadores são secretamente divididos entre dois times, os rebeldes e os simpatizantes do governo, e o objetivo de ambos é completar missões a favor de seu grupo, impedindo o avanço do outro, sem deixar que saibam a sua verdadeira afiliação.

 

resistance
Componentes do jogo

 

Após receber sua identidade secreta, um dos jogadores deve ler um roteiro de frases em voz alta, que diz para todos os jogadores fecharem os olhos e para apenas os membros da resistência, espiões seguidores do governo tirano, abrirem, conhecendo-se. Após essa etapa, o jogo começa. Em cada rodada, um jogador é designado como líder e deve escolher uma determinada quantidade de jogadores para serem enviados a uma missão à favor dos rebeldes. Após a escolha, todos devem votar abertamente se aceitam ou não a escolha feita pelo líder. Se o time for rejeitado pela maioria, um novo líder é designado e um novo time é escolhido. Deve ser levado em consideração que, em um mesmo turno, os times não podem ser rejeitados 5 vezes seguidas, pois isso simboliza a discordância entre os rebeldes, dando a vitória para a resistência. Se o time for aceito, cada membro da missão recebe uma carta de sucesso e uma de fracasso, determinantes para o resultado da missão. Se o jogador for um rebelde, ele deve jogar uma carta sucesso. Se ele for da resistência, ele pode escolher. Após todas as cartas serem recolhidas e embaralhadas, elas são reveladas. Se todas forem sucesso, a missão rebelde deu certo e o time coloca um marcador azul no tabuleiro. Mas, se houver pelo menos uma carta de fracasso no meio das outras, a missão foi sabotada pela resistência e um marcador vermelho é colocado. O jogo continua até que 5 missões se completem, sendo alternados, a cada rodada, os papéis do líder e dos jogadores enviados nas missões. No final, o time que for mais bem sucedido nas missões é o vencedor.

Assim, o jogo baseia-se no blefe e na discussão entre os jogadores. Caso os jogadores suspeitem que alguém seja o membro da resistência, ele provavelmente não será mais escolhido para ser enviado nas missões. Assim, eles devem ser sutis e se ajudarem durante o jogo, infiltrando-se secretamente em cada missão, decidindo o momento certo para sabotá-las.

Além disso, há outros personagens incluídos no jogo para serem usados com um número maior de jogadores, como o Oráculo, membro dos rebeldes que sabe a identidade dos membros da resistência. Mas esse personagem deve ser sutil durante o jogo, pois caso os rebeldes ganhem, a resistência tem uma última chance em tentar assassinar o Oráculo, roubando a vitória para eles.

Fora do Brasil, há também o jogo Resistance Avalon, na qual a maior diferença está na temática, pois esta é situada no universo dos Cavaleiros da Távola Redonda, em que os times são divididos em seguidores do Rei Artur e traidores. Mas a jogabilidade do jogo é a mesma, há apenas alguns personagens extras diferentes que podem ser utilizados.

Ficou com vontade de jogar? É só clicar aqui para comprar com condições super especiais.


Ficha Técnica

Título original: The Resistance

Criador: Don Eskridge

Tempo Médio: 30 min.

Número de Jogadores: 5 – 10

Lançamento: 2009

Distribuidora: Galápagos

Preço Médio: R$84,90 (04/11/2016) – Compre aqui

Mecânica: 14 exp. A mecânica de se dividir os jogadores em dois times, na qual apenas os “malvados” sabem quem são uns aos outros não é novidade, mas a utilização de votação, uma aberta e uma fechada, baseada na escolha dos jogadores é única e funciona bem. No início do jogo, os jogadores estão chutando em quem confiar. Mas, no decorrer das missões, as alianças vão sendo acusadas e o jogo flui perfeitamente.

Dinâmica: 20 exp. O jogo depende exclusivamente da dinâmica entre os jogadores. Não há muito o que se decidir baseando-se apenas nas votações de cada um, é necessário ouvir o que cada um está afirmando, quem estão acusando e o que dizem e realmente fazem. Se o seu grupo gosta de jogos que envolvem enganações, discussões e acusações, esse jogo é ideal para vocês.

Sorte/Estratégia: 14 exp. O elemento da sorte está muito presente no início do jogo, quando os jogadores ainda não sabem em quem confiar e devem votar cegamente. Mas, durante as futuras rodadas, a aleatoridade vai diminuindo, mas não some completamente, pois você nunca vai ter total certeza em quem confiar, sendo esse o foco e a graça do jogo.

Replay: 17 exp. Como o jogo é dependente de seus jogadores e das cartas destribuídas no início, cada partida será bem diferente da outra, mesmo que a jogabilidade mantenha-se igual. Além do mais, a inclusão de diferentes personagens e de cartas de habilidade que podem ser distribuídas pelo líder garantem a variabilidade das partidas. Ademais, há expansões que adicionam mais personagens e até novas formas de votação, entre outros.

Design: 16 exp. A arte e o design do jogo encaixam-se bem com a temática de um mundo distópico, dando a ideia de repressão e de luta, como a utilização de marcadores com desenhos de arma para distinguir os membros da missão a ser realizada. Além disso, o baixo preço do jogo contribui para sua acessibilidade e demonstra que um jogo não necessita de grandes e belos componentes, como miniaturas, para ser divertido e bem sucedido. Minha única crítica está na quantidade inicial de jogadores, pois 5 é um número grande e difícil de se reunir, diminuindo a possibilidade de se jogar em grupos menores. Eu entendo que jogos desse tipo necessitam de vários jogadores, mas mesmo assim, ainda acho raro as oportunidades que tenho de conseguir jogar. Por outro lado, aplaudo a possibilidade de até 10 jogadores, com a inclusão de tabuleiros específicos para cada quantidade, cada um com uma arte própria e as informações necessárias, como a quantidade de membros da resistência e quantos agente serão enviados em cada uma das missões.

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: