Quarriors

Home / Resenhas / Board Games / Quarriors
GuiToledo

GuiToledo

Colaborador em Com'Aboard Geek Culture
Você sabia que Guilherme Toledo é colaborador da Com'Aboard? Quer ler resenhas publicadas por ele? Confira abaixo! =] Se quiser conhecer mais sobre este colaborador, acesse "Nossa Equipe" no menu principal!
GuiToledo

Últimos posts por GuiToledo (exibir todos)

 

Você já ouviu falar de deck building games? Talvez não saiba o nome do gênero, mas conheça alguns famosos como Dominion ou Legendaries. Mas por quê estou falando disso? Porque Quarriors é um dice building game, um tipo único de jogo que se assemelha ao clássico gênero do deck building.

Mas, o que são esses tipos de jogos? Eles se baseiam na ideia de os jogadores começarem o jogo com um pequeno e básico baralho de cartas, no caso o deck building, e durante o avançar do jogo, vão adquirindo novas cartas e adicionando-as ao seu monte, embaralhando e reutilizando seu deck sempre que necessário. Já Quarriors utiliza o mesmo esquema, mas com dados. Ou seja, no início do jogo, os jogadores ganham alguns dados básicos e os adicionam à sua sacola. Em sua rodada, eles pegam 7 dados e os rolam, podendo utilizar os resultados obtidos para invocar monstros ou gastar mana para comprar melhores dados que serão também adicionados ao seu arsenal.

 

quarriors-set-up-e1408502963155

 

Na mesa, haverá cartas que representam todos os dados disponíveis no jogo. Elas são sorteadas de um baralho que contém magias e criaturas, garantindo que haja uma determinada quantidade de cada. Nas cartas, são mostradas as características do monstro/magia, seu custo e todos os lados de seu determinado dado, representando para os jogadores as possibilidades a serem roladas.

Note que todas as cartas possuem lados com um símbolo de gota. Esse recurso é chamado Quiddity e representa a quantidade que o jogador pode gastar para comprar novos dados. Já se um lado com uma figura e diversos números é rolado, isso representa um monstro e esse pode ser invocado pelo jogador gastando-se Quiddity equivalente ao nível do monstro, localizado no canto superior esquerdo. Após invocado, o monstro pode atacar outros monstros dos adversários usando o número do canto superior direito e eles irão defender usando o número do canto inferior direito. Se o ataque supera a defesa, o monstro é derrotado e enviado para o descarte, onde poderá ser adicionado novamente para a sacola do jogador quando ela esvaziar-se.

O objetivo do jogo é invocar monstros e garantir que eles permaneçam vivos quando seu turno retornar. Se isso acontecer, eles são imediatamente destruídos e o jogador ganha uma determinada quantidade de glória, baseada no monstro. O jogador que alcançar um certo limite de glória ganha o jogo.

Quarriors vem com 130 dados customizados e 53 cartas que representam esses dados, fazendo com que cada monstro possua diversas cartas, sendo cada uma diferente da outra devido a habilidades especiais de cada forma, mesmo que os dados sejam os mesmos. Há também expansões disponíveis que, além de disponibilizar uma caixa em que todos os dados podem ser organizados (ao invés de serem guardados em saquinhos como na caixa original), também são adicionados mais magias, monstros e até conteúdos extras como missões em que os monstros podem ser enviados.

Ficou com vontade de jogar? É só clicar aqui para comprar com condições super especiais.


Ficha Técnica

Título original: Quarriors!

Criador: Eric M. Lang e Mike Elliot

Tempo Médio: 30 a 45 min.

Número de Jogadores: 2 – 4

Lançamento: 2011

Distribuidora: Galápagos

Preço Médio: R$199,90 (18/11/2016) – Compre aqui

Mecânica: 15 exp. A mecânica do jogo é baseada em um esquema clássico, o deck building, mas consegue inová-lo ao trocar as cartas por dados, satisfazendo a todos os jogadores, pois quem não gosta de rolar diversos dados customizados, coloridos e únicos? A única crítica que tenho é devido à algumas regras estranhas, como em um empate: a defesa é destruída e, caso o defensor possua diversos monstros, ele pode escolher com qual defender, podendo salvar um monstro fraco utilizando outro com grande defesa. Essas regras não estragam o jogo, mas causaram uma impressão meio estranha em meu grupo de jogos.

Dinâmica: 16 exp. Mesmo durante os turnos dos outros jogadores, todos estão olhando para a rolagem dos dados e torcendo para que o monstro forte seja rolado para o lado que apenas dá Quiddity e o jogador não possa invocá-lo, garantindo que mesmo os monstros fracos possam sobreviver e garantir alguns pontos de glória para seus donos. Além disso, quando uma grande quantidade de Quiddity é rolada e o jogador pode comprar o monstro mais poderoso da partida, todos estão admirando, aflitos.

Sorte/Estratégia: 12 exp. Como o mecanismo principal do jogo envolve rolagem de dados, a sorte é um grande fator. Lógico que há estratégia em decisões como qual dado comprar com o seu Quiddity, mas todas as outras dependem dos dados sacados e das rolagens, podendo fazer com que um monstro poderoso nunca chegue a ser invocado durante todo o jogo.

Replay: 14 exp. Mesmo com a grande variedade de dados, rapidamente os monstros e magias tornam-se repetitivos, pois cada grupo de 5 dados possui algumas cartas diferentes, mas o princípio por trás de cada uma é parecido, pois o dado não pode ser alterado, fazendo com que expansões sejam desejadas rapidamente. Além disso, meu grupo acha que a quantidade de glória necessária para ganhar o jogo é pequena, fazendo com que ele acabe no momento em que os jogadores finalmente acumularam monstros fortes e vão começar atacar seus adversários para valer.

Design: 20 exp. Nesse quesito, não tenho nada a reclamar. Os dados são de ótima qualidade, assim como a arte das cartas e até o design da caixa em formato de dado. Simplesmente incrível.

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: