Dungeon Fighter

Home / Resenhas / Board Games / Dungeon Fighter
GuiToledo

GuiToledo

Colaborador em Com'Aboard Geek Culture
Você sabia que Guilherme Toledo é colaborador da Com'Aboard? Quer ler resenhas publicadas por ele? Confira abaixo! =] Se quiser conhecer mais sobre este colaborador, acesse "Nossa Equipe" no menu principal!
GuiToledo

Últimos posts por GuiToledo (exibir todos)

 

Você já quis ser um aventureiro entrando em uma masmorra para derrotar monstros e acumular tesouros? Acho que na verdade você já foi, várias vezes. A temática de Dungeon Fighter não é nenhuma novidade, mas seu destaque encontra-se na jogabilidade caótica e divertida.

No jogo, os jogadores escolhem um herói e devem cooperar para percorrer diversas salas cheias de monstros de uma masmorra até alcançar o vilão e tentar derrotá-lo. O princípio é simples, mas a mecânica de como os combates acontecem é que faz a grande diferença.

 

20140122_230609

 

Em cada sala, após um monstro ter sido sorteado, os jogadores devem arremessar dados em um tabuleiro com formato de alvo para golpear o monstro. Sim, os dados devem ser arremessados e não rolados. Algumas regras devem ser cumpridas, como que o dado deve sempre pingar na mesa antes de cair no tabuleiro. Parece fácil, mas com o aumento da dificuldade dos monstros, os desafios vão aumentando, com os dados tendo de serem arremessados com os olhos fechados ou até com o jogador pulando.

Dependendo da posição em que o dado cai, o dano sofrido pelo monstro varia. Mas, caso o jogador erre ou não siga alguma das regras de arremesso, o monstro que ataca o jogador. Assim, eles devem continuar arremessando os dados até que eles acabem, obrigando todos os heróis a sofrerem dano, ou até que o monstro seja derrotado. No fim de cada andar da masmorra, os jogadores passam por uma loja onde podem gastar o dinheiro acumulado comprando itens que podem dificultar seus arremessos aumentando seu dano ou lhes dar maior proteção, por exemplo.

O aspecto de destreza manual do jogo que traz seu caráter caótico e engraçado, com dados voando por toda a mesa e todos os jogadores rindo do péssimo arremesso. Essa característica irá atrair muitos jogadores à mesa, mas também irá afastar os mais estrategistas.

Os componentes do jogo são muito bons, contando com diversas peças que materializam o tema do jogo. Além disso, a arte é cômica, com diversas piadinhas em cada arma ou monstro encontrados. Há também, atualmente, 4 expansões disponíveis, cada uma correspondente à um elemento (ar, água, fogo e terra), que adicionam novos itens, monstros, heróis, vilões e, principalmente, novas peças de papelão que modificam os meios em que os dados devem ser arremessados, contribuindo para a longevidade e aleatoriedade do jogo.

Ficou com vontade de jogar? É só clicar aqui para comprar com condições super especiais.


Ficha Técnica

Título original: Dungeon Fighter

Criador: Lorenzo Silva, Lorenzo Tucci Sorrentino e Aureliano Buonfino,

Tempo Médio: 45 – 60 min.

Número de Jogadores: 1 – 6

Lançamento: 2011

Distribuidora: Galápagos

Preço Médio: R$199,90 (30/09/2016) – Compre aqui

Mecânica: 20 exp. Existem vários jogos de destreza, mas este é único. Exigir que os jogadores joguem os dados com os olhos fechados, de costas e pulando ao mesmo tempo não podia ser mais divertido e cômico.

Dinâmica: 15 exp. Não há muita interação entre os jogadores além de um curar o outro ou discutirem quem vai ficar com cada equipamento novo, mas como o jogo é cooperativo e não é fácil, em cada arremesso, todos torcem para que o dado caia no local exato para que o monstro seja derrotado.

Sorte/Estratégia: 5 exp. Não há quase nenhuma estratégia envolvida nesse jogo. As únicas decisões a serem tomadas são na hora de escolher os heróis no começo do jogo e quem deve arremessar qual dado durante a luta, pois cada dado permite a ativação de uma determinada habilidade de cada herói. Mas mesmo essas decisões não são difíceis: se todos precisam de vida, o personagem com cura deve ficar com o dado que ative essa habilidade, lógico. Assim, o aspecto randômico do jogo deve ser levado em consideração. Alguns vão gostar da possibilidade de um monstro mais difícil aparecer no início do jogo e derrotar todos os jogadores em uma rodada, mas outros, vão se irritar.

Replay: 15 exp. No jogo básico, mesmo com o sorteio de monstros, salas e equipamentos, o jogo começará a se tornar repetitivo com o tempo. Mas, com as expansões, as novas cartas e, principalmente, as peças que permitem novas formas de arremesso vão trazer mais longevidade para o jogo.

Design: 20 exp. Não há o que se reclamar sobre o design do jogo. A arte é única e engraçada, os componente são muito bem feitos, desde os dados até as fichas de heróis, marcadores de vida em formato de coração e tabuleiro. O jogo ainda inclui uma torre para se colocar as cartas de monstros e equipamentos. Ela não seria necessária, mas sua inclusão garante um maior charme ao jogo.

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: