Ajin: Demi-Human

Home / Resenhas / Anime / Ajin: Demi-Human
Gustavo Ferratti

Gustavo Ferratti

Sócio Fundador em Com'Aboard Geek Culture
Você sabia que Gustavo Ferratti é fundador da Com'Aboard? Quer ler resenhas publicadas por ele? Confira abaixo! =]
Gustavo Ferratti

Últimos posts por Gustavo Ferratti (exibir todos)

 

Ready for action? Ajin: Demi-Human (亜人) é um anime seinen (público-alvo masculino adulto) com a temática ação-investigativa. Sua primeira temporada foi lançada recentemente pelo Netflix e a segunda temporada está prevista para o mês de outubro deste ano. Seu início é ambientado na África, relatando a história de um soldado americano imortal que não cai apesar de ser baleado inúmeras vezes. Após uma abertura maneiríssima (Yoru wa Nemureru kai? da banda Flumpool), a narrativa continua pela perspectiva de Nagai Kei, um jovem estudante no último ano do ensino fundamental.

Kei é um garoto calado, admirado pela sua inteligência e status. Tudo que deseja é ser um cidadão honrado, a típica representação do japonês bem-sucedido e cheio do kana (money, dinheiro, bufunfa). Após uma aula que estuda justamente o caso do soldado americano imortal na África e seus impactos (a descoberta de uma nova categoria de seres imortais chamados ajins), Kei descobre que é imortal ao cruzar a rua e ser atingido por um caminhão.

A partir do momento em que a mídia local cobre seu acidente, Kei tem sua vida virada de cabeça para baixo, virando um procurado a nível mundial. O governo alega como principal motivo de sua busca a necessidade de proteção dos ajins, quando na verdade, utiliza-os como cobaias em laboratório para desenvolvimento de fármacos, armas e avanços medicinais. Como resposta às crueldades do governo, Sato-san, um senhor ajin de cabelos brancos em forma (tem até peitinho de pombo), cria uma facção radical para destituição do governo humano a qualquer preço. Em um embate onde não há certo e errado, qual das duas facções (humanos ou ajins) irá conseguir subjugar a outra?

Sei que já conhecemos esta história de “pessoas especiais” e seus impactos potencialmente grandes na sociedade (ex. X-men), mas Ajin conseguiu ser diferente. Os personagens não são tão polarizados entre o bem e o mal, mas têm traços de personalidade bem marcantes e definidos. A trama é madura e sólida, com violência, mas sem gore e sex appeal. A trilha sonora é escolhida a dedo e o traço é maravilhoso, em um desenho 3D que lembra o cell shading de Zelda: The Wind Waker. Definitivamente, está entre os meus animes preferidos do ano. Que venha a segunda temporada!

Ajin_2

Vai um cafuné aí?


Ficha Técnica

Título original: 亜人 (Ajin)

Gênero: Seinen (ação para homens)

Lançamento: Janeiro de 2016

Nº de Episódios: 13

Criador(es): Gamon Sakurai

Produtor: Hiroyuki Seshita

Plataforma: Netflix

País de origem: Japão

Duração: 20 min/episódio

Ritmo: 20 exp. De tirar o fôlego. Ação presente do início ao fim dos 13 episódios.

Personagens: 18 exp. Personagens psicologicamente muito bem construídos com personalidade sólida e detalhada. Alguns poderiam ser melhor trabalhados, mas ainda é cedo para falar, já que a série está só no início.

Qualidade da Plot: 20 exp. Plot nitidamente pensada, reviravoltas de “cair o queixo” e elementos descritivos muito coerentes.

Cuidado com os Detalhes: 20 exp. Preocupação na escolha da trilha sonora, animação 3D de qualidade, efeitos visuais arrasadores e até mesmo explicações pseudocientíficas (matéria-negra invisível). Muito show de bola.

Empatia com o Telespectador: 17 exp. Perdeu uns pontinhos por, até o momento, não ocorrer uma “química” telespectador-personagem com nenhum personagem específico. Já que, quando você começa a gostar do Kei ele “pisa no tomate” (sem maiores spoilers, eu prometo).

 

2 Comments

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: