5 Centimeters per Second

Home / Resenhas / Anime / 5 Centimeters per Second
Juliana Yendo

Juliana Yendo

Sócia fundadora em Com'Aboard Geek Culture
Você sabia que Juliana Yendo é fundadora da Com'Aboard? Quer ler resenhas publicadas por ela? Confira abaixo! =] Se quiser conhecer mais sobre ela, acesse "Nossa Equipe" no menu principal!
Juliana Yendo

Últimos posts por Juliana Yendo (exibir todos)

 

5 Centimeters per Second (no original Byōsoku 5 Senchimētoru) é uma animação de Makoto Shinkai lançada em 2007. O filme foi produzido pela CoMix Wave Films e a trilha sonora é de autoria de Tenmon, compositor que trabalhou com Shinkai em diversos outros trabalhos do diretor. O filme teve uma boa aceitação pelo público e ganhou alguns prêmios, como o Asia Pacific Screen Awards (melhor animação). Após o sucesso dessa obra de Shinkai, foi lançada uma light novel para dar continuidade à história do filme e um mangá, adaptado e ilustrado por Seike Yukiko.

Em termos de história/trama, 5 centimeters per Second é, definitivamente, minha obra preferida de Shinkai (no quesito fotografia e arte, minha favorita é The Garden of Words). O filme se passa no Japão, num arco temporal que engloba as décadas de 1990 e 2000, e conta a história de um garoto chamado Takaki Tōno. A animação é dividida em três capítulos, que representam momentos diferentes da vida de Takaki (infância, adolescência e vida adulta): “Cherry Blossom”, “Cosmonaut” e “5 Centimeters per Second”.

 

5cmpersecond

– É cinco centímetros por segundo.

– O quê?

– A velocidade da pétala de cerejeira em queda é de 5 cm/s.

O principal foco da história é o relacionamento de Takaki Tōno e Akari Shinohara, sua amiga de infância. Os dois se conheceram no primário e, desde então, tornaram-se amigos muito próximos, inseparáveis. Porém, a convivência dos dois é interrompida quando Akari muda-se de Tokyo para Tochigi com sua família. Ambos ficam abalados com a mudança, mas, apesar da distância, os dois amigos continuam mantendo contato por meio de cartas. A cada flashback da infância e a cada carta enviada, fica cada vez mais claro para o telespectador que existe um sentimento muito forte entre os personagens. O relacionamento e a amizade dos dois poderiam sobreviver à distância e ao tempo?

Definitivamente, a história não trata de um tema infantil ou “bobo”. Pessoas que possuem a falsa ideia de que animações e animes não são para “gente grande” precisam deixar esse preconceito de lado. Assistir 5 centimeters per Second é um bom primeiro passo para eliminar esse prejulgamento. O principal tema tratado no filme é a relação entre pessoas, tempo e espaço. Shinkai explora a questão de como conhecemos pessoas, como nos aproximamos delas, nos relacionamos e, em contrapartida, como é comum nos distanciarmos, afinal, cada um segue seu caminho e pode se tornar inevitável a falta de contato.

O que mais gosto nessa trama é o fato de ela ser um drama totalmente plausível e realista. Não há apelos emocionais clichês, não é um drama que força a barra pra emocionar e tocar o telespectador. É uma história que poderia muito bem acontecer com qualquer pessoa no mundo real – e é exatamente por isso que essa animação consegue emocionar de um jeito diferente. Acompanhamos o crescimento dos dois personagens, entendemos os seus sentimentos, angústias, decisões e ações. O grande poder de tocar o telespectador está exatamente no fato de Shinkai conseguir retratar uma trama extremamente realista de um modo muito simples, mas muito profundo. Não é necessário recorrer a grandes diálogos. Makoto Shinkai consegue expressar com suas imagens, cenas e detalhes exatamente o que o personagem está sentindo e com o que está lidando. Quem ainda não teve a oportunidade de assistir uma das obras mais marcantes desse diretor, não tem desculpas: a animação está disponível na Netflix!


Ficha Técnica

Título original: Byōsoku Go Senchimētoru

Gênero: Drama/Romance

Lançamento: 2007

Criador/Diretor: Makoto Shinkai

País de origem: Japão

Duração: 63 min.

Ritmo: 18 exp. Individualmente, cada episódio possui um ritmo bem elaborado. Porém, o link entre cada episódio não é “dado de bandeja”: não há uma introdução ou diálogo que explique ao telespectador em que época se passa o capítulo ou outras informações diretas. É somente após assistir os três capítulos que conseguimos costurar a trama e entender o desfecho. Particularmente, eu gosto bastante desse artifício usado por Shinkai.

Personagens: 16 exp. Os personagens são bem apresentados e emocionalmente retratados. Mas, como Takaki é o protagonista, evidentemente, é o personagem mais bem trabalhado. Ficamos curiosos em saber mais sobre alguns personagens secundários. Por conta dessa curiosidade, tirei uns pontinhos.

Qualidade da plot: 20 exp. O tema realista e a sensibilidade de Shinkai para produzir suas obras trazem uma qualidade muito boa para o enredo. A história mexe com o telespectador, por ser extremamente tangível, simples e profunda.

Cuidado com os detalhes: 20 exp. Não tem nem o que falar. Shinkai capricha em todos os cenários, ambientes e objetos que cria/representa em suas histórias.

Empatia com o telespectador: 16 exp. Trata-se de um drama (sem “final feliz”), portanto, se você quer ver alguma coisa para te colocar pra cima, essa não é a melhor opção. Vai te deixar um incômodo de leve. Mas esse é o único “empecilho” que coloco.

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: